O que podemos fazer para prevenir o câncer de mama?

Alimentação saudável protege contra o câncer. Deve ser variada, equilibrada, saborosa, respeitar a cultura e proporcionar saúde.

Frutas, legumes, verduras, cereais integrais e feijões são os principais alimentos protetores. Comer esses alimentos diariamente pode evitar o desenvolvimento de câncer.

A partir desta variação de alimentos, podemos ter em nosso organismo diariamente fitonutrientes, fitoquímicos, antioxidantes, vitaminas e minerais altamente protetores.

Dê preferência aos alimentos orgânicos e grãos integrais pois são livres das toxinas provenientes de agrotóxicos. Os grãos integrais além de fornecerem energia, são ricos em fibras que protegem o trato gastrointestinal, melhoram a eliminação das fezes e evitam putrefação de alimentos acumulados e parados ao longo do intestino.

Ficar acima do peso também eleva os riscos de desenvolvimento de tumorações mamárias.

Quando se está acima do peso, a concentração de gorduras corporais eleva produção de hormônio feminino, desregulando o equilíbrio do organismo, influenciando na deposição de toxinas nas células adiposas e mamárias.

Qual relação entre potes de plástico e o câncer de mama?

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu potes, embalagens e mamadeiras de plástico que possuem Bisfenol A (BPA) e benzeno pois são substâncias comprovadamente tóxicas ao organismo. Sua molécula é muito parecida com o estrogênio, hormônio feminino, que “engana” nosso organismo, sendo absorvida e depositada nos tecidos adiposos e mamários podendo levar a tumorações principalmente mamárias.  Então, evite armazenar e aquecer  alimentos, molhos em potes de plástico, você pode estar contaminando sua comida com essa toxina. Quer uma prova de como isto acontece?  Coloque em um pote branco ou de plástico transparente, molho de tomate e guarde por 1 dia. Observe que ao lavar o pote, este fica impregnado de vermelho. O que houve?  O Licopeno (antioxidante do tomate)  se liga às substâncias do plástico (dentre elas o bisfenol e benzeno) havendo uma “troca”. O Licopeno vai para as paredes dos potes e as toxinas saem das paredes do pote e se ligam ao molho, contaminando-o.  Este processo acontece com alimentos comuns e gorduras, só não há a mancha que fica no pote, mas o processo de troca continua a acontecer.  Devem ser utilizados potes de vidro ou louça pois não contém substâncias tóxicas que interagem com os alimentos.

 

 

 

Como contar carboidratos? Entenda como funciona esse cálculo alimentar

– Como funciona a contagem de carboidratos? Como e quando devemos fazê-la? 

Para quem precisa perder peso, contar carboidrato pode ser uma solução. Para quem busca uma perda de 10kg ou mais, o ideal é não ultrapassar 20g de carboidratos líquidos ao dia. Já quem precisa perder menos, pode ser consumido em média, de 35-40g de carboidratos líquidos diariamente.

 

– O que são os carboidratos líquidos?

Existem vários tipos de carboidratos. Para calcular o valor líquido de carboidrato, é necessário tirar o valor das fibras do valor total de carboidratos, da quantidade a ser consumida. Para facilitar o cálculo, é preciso obter uma Tabela de alimentos confiável como a Tabela Nutricional da Anvisa (www.tabelanutricionalanvisa.com.br), que você pode montar sua própria tabela com os alimentos individualizados.

Por exemplo o abacate: 100 gramas de abacate tem 8,53 gramas de carboidrato e 6,7 gramas de fibras, então são 1,83 gramas de carboidratos líquidos.

 

– Para que serve essa contagem?

A contagem de carboidratos orienta no cumprimento de uma dieta low carb, obrigando de certa forma, a pessoa variar mais os alimentos, introduzindo mais hortaliças, alguns tipos de frutas e excluindo alimentos processados/industrializados. Naturalmente o valor protéico e de gorduras aumentam nesse tipo de processo, fazendo com que o organismo trabalhe de forma diferente do habitual, aumentando o metabolismo e reduzindo picos insulinêmicos, ou seja, quanto menos for produzida a insulina para metabolizar estes carboidratos, mais ocorrência de queima de gordura corporal e principalmente, na região abdominal.

 

– Qual é a importância dessa contagem?

A contagem de carboidratos educa o indivíduo a se portar diante dos alimentos, fazer as escolhas mais saudáveis e mais inteligentes para seu benefício.  Naturalmente depois desse processo, a pessoa vai ter certas noções da alimentação.  A contagem de carboidratos, é um dos métodos mais eficazes para os diabéticos, por exemplo. Além de controlar a glicemia, orienta que tipos de alimentos são mais adequados para ele comer e com que frequência deve comer.

– Quais as dicas que você pode dar para quem precisa contar os carboidratos no dia a dia?

Primeiro, faça uma tabela diária e vá registrando um dia comum, sem alterações na alimentação. Você enxergará a quantidade de carboidratos que você comumente ingere e isto, vai te dar noções de onde começar a reduzir quantidades e excluir os alimentos que mais prejudicam sua dieta.  No processo de emagrecimento, faça também o registro para controlar a quantidade de carbos ingeridos.

Claro, que antes de tudo, deve ser orientado por Nutricionista para ter uma dieta individualizada, respeitando sua rotina, saúde e costumes, avaliando periodicamente a alimentação, estado de saúde e estético.

Alimentos diets: 7 doces dietéticos para quem precisa substituir o açúcar

“Nossa, mas o sabor é idêntico!”. Quantas vezes nós ouvimos isso quando alguém experimenta um doce sem o uso do açúcar? Cada vez mais expostos nas prateleiras dos supermercados e lojas de alimentos naturais, os produtos diets são alternativas deliciosas para quem procura evitar o consumo do açúcar refinado no dia a dia, mas não abre mão de um docinho no lanche da tarde ou nas sobremesas. Por isso, descubra quais são os alimentos sem açúcar mais benéficos para a sua saúde!

Seja geleia, chocolate, gelatina ou iogurte, os alimentos diets não possuem ou têm a quantidade reduzida de algum ingrediente, portanto, eles podem ser livres de açúcar, calorias, sódio ou outras substâncias, de acordo com a premissa oferecida pelo produto. Por isso, é tão importante ler os rótulos antes de consumir. Segundo a nutricionista Cristiane Coronel, antes de designar os melhores alimentos diets para nossa saúde, é necessário entender a diferença entre os produtos diets e light:

“O alimento diet é aquele que teve algum componente (açúcar, sódio, carboidrato, glúten, por exemplo) retirado completamente de sua produção. É um grupo de alimentos que não é somente indicado à pacientes diabéticos e sim para outras restrições de ingredientes também. Já o produto light é aquele que apresenta no mínimo 25% menos calorias do que sua versão normal, sem necessariamente cortar algum ingrediente”, analisa a profissional.

Dietas restritivas – Os alimentos diets, são mais indicados para restrições alimentares, visto que os consumidores podem ter, por exemplo, alergias ou intolerâncias ao glúten ou outra substância, surgindo assim a necessidade da indicação para cada necessidade específica. Cristiane Coronel separou os 7 melhores alimentos para o seu dia a dia. Confira!

7 alimentos dietéticos para sua alimentação saudável

1 – Iogurte natural funcional: Ele, por si só, é uma fonte natural de proteínas, probióticos, minerais como cálcio e magnésio. “Sua fórmula original não possui açúcar e existem também opções com redução de gorduras. Excelente para comer no café da manhã ou lanches pois sacia e fornece bons nutrientes”, indica a nutricionista.

2 – Chocolate amargo: Segundo a Dra. Cristiane, o chocolate sem açúcar é um dos maiores representantes do grupo dos diets. “Indicado para diabéticos, que precisam diminuir os níveis de glicose, o chocolate diet não é necessariamente menos calórico do que a versão normal, porque para compensar a troca de açúcar por adoçante na produção, o que muda a textura do alimento, os fabricantes costumam aumentar a dose de gordura”, analisa.

3 – Pão sem glúten: Também é considerado um alimento diet, pois não contém glúten no produto. “Porém nem sempre é indicado por diabéticos. As outras farinhas existentes no composto, podem ser de alto índice glicêmico, podendo aumentar a glicemia”, alerta a especialista.

4 – Gelatina: Embora seja um alimento conhecido por suas baixíssimas calorias, a nutricionista alerta que, para a gelatina ser saudável, é necessário escolher a versão sem sabor e sem corantes: “Preparar com as folhas ou gelatina em pó normalmente e completar com suco natural. Muitas vezes não é necessário adoçar, mas dependendo do sabor, pode-se usar Xilitol ou adoçante de forno e fogão”, explica Cristiane Coronel

5 – Leite de coco: Não possui sódio, açúcar e nem as proteínas do leite de vaca, sendo uma boa alternativa para os intolerantes à lactose. “Pode ser usado em muitas receitas como substituto do leite. Rico em proteínas e boas gorduras, o leite de coco também possui atividade anti-inflamatória no organismo”, analisa a nutricionista.

6 – Paçoquinha: Excelente opção para matar aquela vontade quase incontrolável de comer doce sem ter açúcar no produto. “A paçoquinha diet possui boas fontes de gorduras e proteínas. Pode ser indicado para dietas restritivas em açúcar como também para dietas de emagrecimento”, indica.

7 – Geleia: Livre de açúcar, esse alimento pode compor o café da manhã, lanche e até a sobremesa. “Geralmente são adoçadas com stevia, sucralose ou concentrado de suco de uva, como as geleias francesas. Também não são produtos que devem ser livremente consumidos por diabéticos, pois possuem carboidratos e açúcar natural proveniente das frutas, como a frutose”, finaliza a nutricionista.

*Cristiane Coronel (CRN1-4551) é nutricionista clínica e esportiva funcional e disponibiliza o seu site para contato e outras informações: Corpo Nutri.

Paçoca saudável para festas juninas: Saiba preparar a versão saudável desse doce

Paçoca saudável? Sim, por que não? Um dos doces mais tradicionais em épocas de festas juninas no Brasil, ela, com algumas substituições de ingredientes, também pode fazer parte de uma alimentação equilibrada, sem exageros, e nutritiva. Feito à base de amendoim, leguminosa que possui ótimos nutrientes para a saúde, o alimento também pode ser feito em versões funcionais, sendo indicado para fazer parte de dietas restritivas e complementares.

Apesar de ser muito relacionada às festas de São João, a paçoca é um doce consumido em todas as épocas do ano: seja pura ou acompanhando outros alimentos como açaí, sorvetes, bolos e até brigadeiros. Segundo a nutricionista Cristiane Coronel, para obter uma versão saudável da paçoca, basta optar por ingredientes mais naturais:

“O amendoim, elemento base da paçoca, é um alimento fonte de boas gorduras (ácidos graxos monoinsaturados), proteínas, cálcio, ácido fólico (essencial para o sistema nervoso central). Também é rico em fibra alimentar, vitaminas B e E. Por isso, para a paçoca se tornar ainda mais saudável, devemos reduzir ou substituir o açúcar, um de seus ingredientes e podemos também, acrescentar à receita, outras fontes de fibras, vitaminas e minerais como a aveia e outros farelos como de chia, quinoa, amaranto”, explica a nutricionista que disponibilizou uma receita prática e fácil de fazer. Confira:

Receita de paçoca light com farelo de aveia e óleo de coco

Ingredientes:

– 250g de amendoim torrado sem casca e sem sal

– 100g de farelo de aveia

– 2 colheres de sopa de manteiga ou óleo de coco

– 4 colheres de sopa de açúcar demerara ou mascavo

– 1 pitada de sal

Modo de preparo: Para preparo da paçoca caseira você só precisa colocar todos os ingredientes em um processador e misturar até obter uma mistura homogênea. Pode servir como farofa em pequenas porções individuais ou fazer bolinhas ou o formato que desejar.

Consumo – Mesmo sendo uma receita saudável e fonte de nutrientes que podem proporcionar bem-estar, a paçoca funcional deve ser consumida com moderação, pois permanece rica em calorias. Além disso, alérgicos ao amendoim não devem comer a paçoca, assim como outros alimentos que possam conter esse ingrediente.

Quais os benefícios de efetuar a troca da paçoca tradicional por essa versão saudável da iguaria?

Quando fazemos escolhas saudáveis, como substituir o açúcar por um produto mais leve e natural, aumentamos a quantidade de substâncias benéficas e diminuímos a os conservantes e aditivos químicos, tornando a receita mais nutritiva. No caso da paçoca saudável, o farelo de aveia enriquece ainda mais com fibras alimentares, vitaminas do complexo B, ferro e proteínas, por exemplo. Outro destaque é a troca da margarina pelo óleo de coco, tornando a receita livre de gordura trans e acrescentando fitonutrientes e agentes antioxidantes.

*Cristiane Coronel (CRN1-4551) é nutricionista clínica e esportiva funcional e disponibiliza o seu site para contato e outras informações: Corpo Nutri

Molho vinagrete é saudável? Veja os benefícios desse tradicional acompanhamento!

Muito usado para servir de entradas ou para acompanhar saladas, pães e carnes, o molho vinagrete é uma opção nutritiva e com pouca caloria!

Perfeito para acompanhar churrascos e servir de entrada nas mais diversas preparações, o molho vinagrete é tradicional e sempre bem-vindo no dia a dia. A mistura de cebola, tomate e pimentão, temperada no vinagre, além de saborosa, também pode ser altamente nutritiva! Descubra os benefícios do molho vinagrete para sua saúde!

O grande segredo do vinagrete é a união de sabores. Com um toque levemente ácido e sabor que harmoniza com receitas salgadas, o molho cai muito bem acompanhando arroz, saladas e carnes, dos mais diversos tipos e cortes. Além disso, por ser preparado com ingredientes naturais, o seu consumo ajuda a evitar o uso de produtos prontos, industrializados, e com conservantes, como ketchup, mostarda e maionese. Segundo a nutricionista Cristiane Coronel, o molho vinagrete, é uma iguaria prática e benéfica para nossa saúde:

“Dos molhos para saladas, o molho vinagrete é o mais saudável pois possui variedade de nutrientes que somam vitaminas, minerais, boas gorduras e fibras à alimentação. É versátil e combina também com pães, torradas, arroz e carnes. Além disso, o molho vinagrete é um fácil e rápido de preparar, sem contar que é feito com ingredientes que todo mundo sempre tem em casa”, explica a profissional, reiterando a pouca quantidade de calorias da iguaria:

“O vinagrete é considerado um molho light, pois três colheres de sopa tem em média 27 calorias, em comparação a 270 calorias do azeite puro ou 135 calorias da maionese industrializada”, completa a Dra. Cristiane.

Por que o vinagrete é um dos molhos mais saudáveis?

1º – Previne o envelhecimento: O vinagre de maçã e o tomate, por exemplo, são ricos em propriedades antioxidantes capazes de controlar as ações dos radicais livres e retardar o envelhecimento precoce das células do nosso corpo. Conferindo uma pele mais saudável e jovem por mais tempo.

2º – Fortalece o sistema imunológico: Fontes de vitamina C, os vegetais crus (cebola, pimentão e tomate) garantem a integridade da substância necessária para manter o nosso organismo livre de enfermidades, gripes e resfriados muito comuns nessa época mais fria do ano.

3º – Melhora o trânsito intestinal: As fibras alimentares encontradas na casca do pimentão e do tomate ajudam a facilitar o funcionamento do intestino, prevenindo assim a prisão de ventre e a constipação.

4º – Faz bem ao coração: A união desses alimentos torna a vinagrete um acompanhamento rico no ácido graxo ômega 3, 6 e 9. Essas substâncias são essenciais para o bom funcionamento do músculo cardíaco, diminuindo os riscos de AVC. derrame e infarto.

5º – Ativa a memória: O ômega 3 também é um estimulante para o cérebro, aumentando a nossa capacidade de memória, melhorando a concentração e tornando o órgão ativo e saudável por mais tempo.

Vinagrete saudável: Saiba como fazer em casa!

Ingredientes:

– 3 unidades de tomates maduros limpos

– 2 colheres de sopa de cebola cortada

– 1/2 unidade pimentão verde

– 1/2 colher de sopa de coentro in natura (item opcional)

– 2 colheres de sopa de azeite de oliva extravirgem

– 100ml de vinagre de maçã

– 50ml de água

– 1/2 colher de chá de sal. Utilize o sal rosa do Himalaia ou marinho

Modo de preparo:

Higienize e pique os tomates, a cebola, o coentro, o pimentão. Numa molheira junte os tomates, a cebola, o pimentão, os coentros. Todos picados. O vinagre, a água filtrada, o azeite e o sal a gosto, misture bem. Sirva preferencialmente o vinagrete à parte.

Recomendações de consumo – Para um prato de refeição, até quatro colheres de sopa do molho vinagrete são suficientes para deixar a comida ainda mais saborosa. “Não devemos exagerar no consumo, pois o vinagrete possui sódio, proveniente do sal e azeitona. Indivíduos hipertensos devem comer em pequena quantidade. Alérgicos a algum ingrediente da receita, devem evitar o consumo”, finaliza a nutricionista.

*Cristiane Coronel (CRN1-4551) é nutricionista clínica e esportiva funcional e disponibiliza o seu site para contato e outras informações: Corpo Nutri