Faça o que eu digo, faça o que eu faço!

Em 2009, após ganhar quase 16kg na gestação, além da amamentação que ajudou na perda de peso, não tive pressa nem desespero como a maioria das mães têm (o que é muito errado), mantive a alimentação adequada e sem pressa, perdendo quilo após quilo a cada mês, até eliminar tudo ao final de 6 meses.

Foi quando decidi me dedicar ao meu corpo e respeitar meu biotipo (com curvas, volume em coxas e glúteos). A época de Gisele Bundchen, o oculto à magreza, estava com seus dias contados. Agora, é ganho de massa muscular!

Decidi voltar a fazer atividades físicas, focada em hipertrofia. Afinal, todos os quilinhos que ganhei na gestação já tinham sido eliminados, porém a composição corporal estava muito diferente, pouca massa muscular e muita flacidez, quase 25% de gordura corporal. Coloquei em prática todo aprendizado da Pós-graduação de Nutrição Esportiva Funcional (Instituto de Ensino Valéria Paschoal), que me valeu muito à pena. E as mudanças corporais se iniciaram…

4 anos se passaram e a disciplina só aumentou, hoje treino às 06:30 da manhã pois é o horário que me resta dentro de uma agenda tão cheia de compromissos e trabalhos de Nutricionista (Graças à Deus, obrigada!).

Sem desculpas para deixar de treinar, obter uma alimentação saudável que condiz com a intensidade dos treinos diários. Aboli doces e excessos de carboidratos da minha vida, junk foods nem pensar. Confesso que uma vez por semana me dou o luxo de “escorregar” na dieta, mas nada de exageiros! Treino com intensidade, não vou para academia perder tempo batendo papinho, faço o que tem que ser feito!

Meus treinos têm variado em ciclos de Hipertrofia e definição. Tenho ótimos professores capacitados que me ajudam nesse processo.

Quando você possui um objetivo e quer alcançar de verdade, basta se organizar dentro de sua rotina, seja ela como for. Hoje sou incentivo para muitas mulheres, mães, pacientes, colegas de academia, fico muito feliz por isso. A força de vontade é tudo! Sempre digo aos meus pacientes, que devemos matar um leão por dia e nesse processo veremos gradativamente as mudanças, físicas e psíquicas, tudo melhora. Força, fé e foco, sempre!

 

Cristiane Coronel

Nutricionista – Corpo Nutri

 

Entrevista à Folha de São Paulo com a Nutricionista Cristiane Coronel – Ração Humana

Entrevistada: Nutricionista Cristiane Coronel

Na moda em dietas, as “rações humanas”, compostas de cereais e fibras e encontradas em mercados em todo o país, estão na mira da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A agência divulgou nesta terça-feira um alerta de que a substituição de uma refeição por esse produto traz riscos à saúde, já que ele não tem todos os nutrientes necessários para a alimentação saudável.

A nota também deve dizer que os produtos não podem usar o nome de “ração humana” nem colocar no rótulo propriedades medicinais, como redução de colesterol.

Estão liberadas frases que informem que o composto faz bem para a saúde (por exemplo, que melhora o funcionamento do intestino).

Mas, para isso, os fabricantes terão que pedir o registro do alimento na Anvisa e apresentar estudos que demonstrem essas características.

A iniciativa surgiu após questionamentos de órgãos de vigilância estaduais sobre esses produtos, afirma Ana Cláudia Araujo, especialista em alimentos da Anvisa.

“O nome `ração humana’ pode induzir o consumidor a engano e não diz claramente o que é aquele alimento.”

Segundo ela, alimentos vendidos com essa nomenclatura já estão em desacordo com a legislação sanitária.

As empresas responsáveis devem ser notificadas e receberão um prazo para cumprir a medida. Caso isso não ocorra, estão sujeitas a multa de até R$ 1,5 milhão.
Segundo a nutricionista Cristiane Coronel, o crescimento do mercado de ração humana se deve principalmente ao fato de o produto, por ter muitas fibras, aumentar a sensação de saciedade.

SACIEDADE

Pioneira nesse mercado, a empresa Takinutri afirma ter o produto disponível em 1.300 pontos de venda.

Lica Takagui Dias, uma das sócias, diz que o objetivo do produto não é substituir refeições, mas melhorar o funcionamento do intestino.

A nutricionista Daniela Jobst, do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional, diz indicar aos seus pacientes produtos do tipo para casos em que há carência de fibras Ðnunca, no entanto, para substituir uma refeição.

Se isso for feito, alerta, faltarão nutrientes, principalmente proteínas, que não estão em grande quantidade nos compostos.

Já Valéria Paschoal, da VP Consultoria Nutricional, vê com preocupação o crescimento do mercado de ração humana. “Ela estabelece um padrão diário de alimentação, mas a regra básica da nutrição é a variedade dos alimentos”, afirma.

Segundo ela, o consumo exagerado pode causar hipersensibilidade, que leva a problemas como queda de cabelo e cansaço físico.

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/926258-anvisa-veta-uso-do-nome-racao-humana-em-rotulo.shtml

 

ANGELA PINHO
DE BRASÍLIA (Folha.com)

Quibe de berinjela e ricota

Confira como preparar o delicioso Quibe de Berinjela e Ricota!

A proteína texturizada de soja faz as vezes da carne e a berinjela ajuda a dar volume. O resultado é um quibe menos calórico e mais saudável que o tradicional, especialmente por ser assado em vez de frito. Experimente e surpreenda-se com o sabor

Ingredientes
• 2 xíc. (chá) de trigo para quibe
• 1 xíc. (chá) de proteína texturizada de soja
• 2 berinjelas sem casca, cortadas em cubos
• 1 cebola picada
• 1 dente de alho picado
• 1 col. (sopa) de hortelã picada
• 2 col. (sopa) de salsa picada
• 1 pitada de pimenta síria
• 2 col. (sopa) de shoyu light
• Sal a gosto
• 2 tomates sem semente, cortados em cubinhos

Recheio
• 3 rodelas grossas (300 g) de ricota
• 1 col. (sopa) de azeite extravirgem
• 6 azeitonas verdes picadas
• Orégano e sal a gosto

Modo de fazer
Em vasilhas separadas, mergulhe o trigo e a proteína de soja em água morna e deixe hidratar por 15 minutos. Afervente a berinjela na água com sal por 2 minutos. Escorra e esprema o trigo, a soja e a berinjela para retirar o excesso de água. Triture rapidamente a berinjela no liquidificador no módulo pulsar. Junte todos os ingredientes numa tigela funda e misture bem. Forre o fundo de uma fôrma antiaderente com metade da mistura e espalhe uma camada da ricota amassada com o azeite e a azeitona, sal e orégano. Cubra com o restante da mistura e regue com um fio de azeite. Asse em forno médio por 30 minutos ou até dourar. Sirva com uma salada colorida.

Rende: 
6 porções
Calorias: 280 (o tradicional tem 335 calorias)

25 alimentos que seguram a fome

Café da manhã

Abacaxi

“Comer uma fatia de abacaxi no café da manhã me deixa sem fome até o almoço”, diz Carmem Lima, 32 anos, de São Paulo. Por que funciona: rico em fibras, o abacaxi mantém o estômago ocupado na digestão por mais tempo, o que segura a fome. Também tem várias vitaminas e minerais importantes para o equilíbrio geral do organismo. E um corpo saudável corre menos risco de cair na armadilha da gula.

Aveia

“Mingau de aveia faz a gente quase esquecer a comida no resto do dia”, conta Rosana Meirelles, 49 anos, do Rio de Janeiro. Por que funciona: as fibras da aveia se expandem no estômago. Depois, são transformadas numa espécie de gel resistente à digestão, prolongando a saciedade. Se preferir, polvilhe o cereal nas frutas ou no iogurte.

Pão integral

“Ele estica muito mais a sensação de saciedade que o pão branco”, garante Maria Toniolo, 35 anos, de São Paulo. Por que funciona: além de deixar você satisfeita com menos comida – por causa das fibras dos grãos –, pães e massas integrais têm o poder de manter os níveis de açúcar no sangue mais equilibrados, evitando que a fome volte logo.

Ovo

“Comer ovo de manhã é batata: a fome fica menor nas outras refeições!”, diz Eliane Duarte, 36 anos, do Rio de Janeiro. Por que funciona: o ovo é fonte de proteína – nutriente que tem uma estrutura molecular complexa, exigindo uma digestão lenta. Por isso, deixa você sem fome por um bom tempo.

Queijo branco

“No meu café não falta queijo branco. Senão chego esfomeada ao almoço”, diz Elisabeth Duarte, 48 anos, do Rio de Janeiro. Por que funciona: como o ovo, o queijo tem proteína e, por isso, sacia bem a fome.

Almoço

Arroz integral

“Quando estou com muita fome, troco o arroz branco pelo integral. Preenche o estômago mais rápido”, conta Amanda Rodrigues, 25 anos, do Rio de Janeiro. Por que funciona: esse tipo de arroz, que vem com a casquinha, leva mais tempo para ser digerido do que o branco. E enquanto o estômago está cheio, você não pensa em comida.

Farelo de trigo

“Misturo farelo de trigo na massa ou no arroz. Funciona bem contra os exageros”, diz Graziela Belles, 25 anos, do Rio Grande do Sul. Por que funciona: ótima ideia! Juntar o farelo de trigo a outros alimentos aumenta o volume – dá impressão de ter uma porção mais generosa no prato. Além disso, o farelo reduz o índice glicêmico da massa e do arroz, e IG baixo é garantia de apetite tranquilo.

Abóbora

“A abóbora é minha aliada contra a balança! Me ajudou a perder 8 quilos”, diz Daniela Amaral, 25 anos, do Rio Grande do Sul. Por que funciona: tem fibra de monte e poucas calorias (tem só 33 calorias por 100 gramas), por isso, você pode comer bastante sem medo de engordar. Não é à toa que faz sucesso na turma do regime. Pode ser assada ou cozida, doce ou salgada.

Cenoura

“Além de folhas verdes, como bastante cenoura na salada. Mastigar esse legume diminui minha gula”, diz Adriana Afonso, 27 anos, de Brasília. Por que funciona: a textura firme da cenoura exige mesmo que você mastigue, mastigue, mastigue… Com isso, o cérebro entende que uma boa quantidade de alimento está sendo ingerida. Além disso, comendo devagar, você consome menos comida nos 20 minutos que seu organismo leva para “desligar” a fome.

Jantar

Peito de peru

“Colocar peito de peru no sanduíche mata minha fome mais rápido”, diz Ana Claudia Rizo, 28 anos, de Uberlândia (MG). Por que funciona: além de proteína, o peito de peru tem um pouco de gordura (mesmo o light), que, durante a digestão, estimula o corpo a produzir um hormônio, a colescistocinina, que corta a gula. É isso mesmo: para emagrecer a gente precisa de gordura, de boa qualidade, é claro, e não mais do que 10% das calorias diárias.

Tofu

“Gosto do tofu geladinho com cheiro-verde e shoyu. É leve e me ajuda a comer menos no jantar”, conta Helena Cardoso, 40 anos, de Goiânia. Por que funciona: esse queijinho (de soja) carrega apenas 40 calorias em 100 gramas, e pode entrar à vontade no seu prato, dando volume à refeição. A dose de proteína, apesar de pouco, também ajuda a domar a fome.

Folhas Verdes

“No jantar, devoro um prato grandão de folhas verdes com tomate e pepino. Depois, como uma fruta e pronto: me sinto bem alimentada”, diz Márcia Queiroz, 27 anos, de São Paulo. Por que funciona: campeãs de fibras, as folhas exigem muita mastigação – ninguém engole uma saladona sem trabalhar muito com os dentes. E a mastigação é um mecanismo fundamental para o cérebro avisar a hora certa de você parar de comer.

Bebidas

Suco de limão

“Para ficar firme na dieta, bebo limonada (com adoçante!) gelada. Refresca e me faz esquecer dos doces”, diz Marcia Cristina Marinho, 30, de Ubiratã (PR). Por que funciona: o azedinho do limão inibe a vontade de comer algo doce. Isso porque esse sabor satura as papilas gustativas que também estão no comando da fome.

Chá de ervas

“Beber chá (muito chá!) – perto de 1 litro por dia, sem açúcar e longe das refeições – me faz comer menos. Emagreci 9 quilos em dois meses depois que adotei essa estratégia”, diz Viviana Lima, 28 anos, de São Paulo. Por que funciona: chá, em geral, acalma o estômago. Mas se quiser ir direto ao ponto, beba chá de capim-cidreira (reduz a compulsão a comida), verde (acelera o metabolismo, fazendo o corpo queimar gordura), cravo e canela (diminui a fissura por doce).

Café

“Gosto de beber um cafezinho após o almoço. Assim não sinto falta da sobremesa”, revela Karine Parússolo, 27 anos, de São Paulo. Por que funciona: como acontece com o limão, o sabor forte do café deixa as papilas gustativas “satisfeitas”. É por isso que compensa o doce da sobremesa.

Água

“Quando estou a ponto de atacar um chocolate, bebo água. E a vontade passa”, conta Aline Marta de Lima, 23 anos, do Rio de Janeiro. Por que funciona: a água ocupa espaço no estômago, preenchendo momentaneamente aquele “vazio” que faz você sonhar com um biscoito recheado no meio da manhã ou da tarde. Portanto, água para dentro!

Lanches

 

Banana

“É gostosa, fácil de levar para o trabalho e sossega a fome entre as refeições”, diz Fernanda Villas Boas, 23 anos, de São Paulo. Por que funciona: não parece, mas a banana tem fibras e, por isso, forra o estômago. Também carrega ferro, potássio e triptofano – substâncias que dão pique e diminuem a compulsão a comida. Mas, com 90 calorias, em média, não pode ser consumida à vontade.

Iogurte

“Um iogurte desnatado e a larica da tarde desaparece”, garante Simone Fernandes, 26 anos, de Macaé (RJ). Por que funciona: rico em proteína, não só aplaca a fome como evita que ela volte rápido. Se quiser esticar a sensação de saciedade, junte aveia.

Barra de cereais

“Esse lanchinho tem poucas calorias, engana o estômago e faz o intestino funcionar melhor”, revela Jeane Marques, 25 anos, de Paranavaí (PR). Por que funciona: as que têm castanhas, cereais (como a aveia) e frutas secas cortam a fome e dão energia. Cuidado com as versões carregadas de açúcar e sem quase nada de cereais integrais – disparam o índice glicêmico, e lá vem fome.

Damasco

“Docinho, o damasco acaba com aquela vontade de comer alguma coisa no meio da manhã”, diz Mônica Rodriguez, 31 anos, de São Paulo. Por que funciona: desidratado, concentra frutose (açúcar da fruta) e vale por um docinho com apenas 20 calorias por unidade. A sensação de saciedade fica por conta das fibras.

Amendoim

“Carrego um punhado de amendoim na bolsa para aliviar a fome da tarde”, conta Leda Ribeiro, 32 anos, de São Paulo. Por que funciona: a gordura boa do amendoim regula o açúcar no sangue e rende uma sensação de saciedade prolongada, evitando beliscos. Mas não exagere: 10 gramas têm 55 calorias.

Biscoito com fibras

“Para acabar com o desejo por doce, como biscoitinho com fibras”, diz Thereza Moreira, 32 anos, do Rio de Janeiro. Por que funciona: é uma opção saudável para driblar a fome que pinta entre uma refeição e outra. Mas, em excesso, engorda.

Soja tostada

“No lanche, como soja tostada. Foi um dos truques que me ajudaram a perder 66 quilos”, diz Lia Santis, 30 anos, de São Paulo. Por que funciona: além das fibras, tem isoflavonas (hormônios naturais), zinco, vitaminas do complexo B, cálcio e potássio, que equilibram os hormônios femininos. E os hormônios, você sabe, influem muito na gula.

Sobremesas

Gelatina

“Se fico sem doce no almoço, meia hora depois estou atrás de chocolate. Então, sempre como gelatina diet de sobremesa – tem poucas calorias e acaba com a minha larica fora de hora”, diz Flavia Gamonar, 21 anos, de Bauru (SP). Por que funciona: a gelatina é uma proteína, nutriente que demora mais a ser digerido. Além disso, contém grande quantidade de água, o que ocupa o estômago. Com a vantagem de render várias receitas de baixas calorias.

Melancia

“Corto o apetite voraz comendo melancia. É minha aliada até na TPM, quando a vontade de doce é quase incontrolável”, conta Leilane da Silva, 28 anos, do Rio de Janeiro. Por que funciona: essa fruta tem uma quantidade incrível de água e, por isso, sacia muito! Como tem um montão de fibras, exige que a gente fique mastigando por mais tempo. Além disso, você pode comer uma porção generosa já que uma fatia média contém só 50 calorias.