Alimentos diets

Primeiro, é necessário entendermos de vez a diferença do DIET para o alimento Light.

Alimento Diet é aquele que teve algum componente (açúcar, sódio, carboidrato, glúten, por exemplo) retirado completamente de sua produção.  É um grupo de alimentos que não é somente indicado à pacientes diabéticos e sim para outras restrições de ingredientes também.

Já o produto light é aquele que apresenta no mínimo 25% menos calorias do que sua versão normal, sem necessariamente cortar algum ingrediente.

 

Iogurte Natural

Ele por si só, é uma fonte natural de proteínas, probióticos, minerais como cálcio e magnésio. Sua fórmula original não possui açúcar e existem também opções com redução de gorduras.  Excelente para tomar no café-da-manhã ou lanches pois sacia e fornece bons nutrientes.

 

Chocolate amargo

O chocolate sem açúcar é um dos maiores representantes do grupo dos DIETs. Indicado para diabéticos, que precisam diminuir os níveis de glicose, o chocolate diet não é necessariamente menos calórico do que a versão normal, porque para compensar a troca de açúcar por adoçante na produção, o que muda a textura do alimento, os fabricantes costumam aumentar a dose de gordura.

Pão sem glúten

Também é considerado um alimento DIET, pois não contém glúten no produto. Porém nem sempre é indicado por diabéticos. As outras farinhas existentes no composto, podem ser de alto índice glicêmico, podendo aumentar a glicemia.

 

Gelatina

A gelatina por si só, é um alimento com baixas calorias. Porém, para a gelatina ser saudável, é necessário escolher a versão sem sabor e sem corantes.

Preparar com as folhas ou gelatina em pó normalmente e completar com suco natural. Muitas vezes não é necessário adoçar, mas dependendo do sabor, pode-se usar Xilitol ou adoçante de forno e fogão.

 

Leite de côco

Não possui sódio, açúcar e nem as proteínas do leite de vaca. Pode ser usado em muitas receitas como substituto do leite. Rico em proteínas e boas gorduras, o leite de côco também possui atividade antiinflamatória no organismo.

 

Paçoquinha Diet

Excelente opção para aquela vontade de comer doce sem ter açúcar no produto. Possui boas fontes de gorduras e proteínas. Pode ser indicado para dietas restritivas em açúcar como também para dietas de emagrecimento.

 

Geléia Diet

São geléias que não levam açúcar na receita. Geralmente são adoçadas com Stevia, Sucralose ou concentrado de suco de uva, como as geléias francesas.

Também não são produtos que devem ser livremente consumidos por diabéticos, pois possuem carboidratos e açúcar natural proveniente das frutas, como a frutose.

Empanados saudáveis: Você pode usar grãos e sementes para empanar os alimentos!

Empanados podem ser saudáveis! Com o uso de grãos, sementes e até oleaginosas nas preparações é possível criar crostas leves e nutritivas.

Frango, peixes e outros frutos do mar, ou bifes empanados… Difícil resistir, não é? A tradicional forma de fritura ou de assamento deixa qualquer alimento mais crocante e saboroso. Contudo, se pensarmos em qualidade alimentar, esse tipo de preparação ainda não é das mais bem-vistas. Mesmo assim, a gastronomia fit procura formas para aproveitarmos essa técnica e uma das melhores maneiras encontradas é a utilização de grãos, sementes e até oleaginosas para cozinhar aquela crosta suculenta e deliciosa às carnes mais leves e saudáveis.

A forma tradicional de preparar empanados é feito com a farinha de trigo ou farinha de pão, podendo ser assado e, principalmente, frito. Na gastronomia saudável, a técnica utilizando sementes consegue gerar o mesmo efeito de crocância, com a vantagem de trazer mais benefícios e nutrientes para a saúde. A nutricionista Cristiane Coronel explica:

“A forma tradicional de empanar com farinha branca deixa o alimento mais embebido em óleo, tornando-o mais calórico, e com muitos carboidratos. Já as sementes enriquecem o valor nutricional os alimentos. Com fibras, lignanas, outros antioxidantes e até mesmo com fontes de ômega 3”, explica a profissional, ressantando:

“Para empanar, podem ser misturados os ingredientes: como chia com linhaça dourada, castanhas trituradas, quinoa, amaranto e gergelim. Quanto mais variedades de sementes, mais enriquecida fica a receita com fontes de fibras, vitaminas, minerais (principalmente cálcio)”, completa a nutricionista.

Como empanar os alimentos com sementes?

O processo de preparação é o mesmo do tradicional. No caso do peixe empanado, por exemplo, você precisará de um líquido para mergulhar (pode ser suco de limão) e fazer com que as sementes grudem no alimento. Devem ser levados ao forno a 180 graus ou fritos com pouco óleo, sem necessidade de fazer imersão:

“Utilizar bons óleos é fundamental para a saúde, como os azeites próprios para cocção, óleos como coco, girassol, milho, arroz, sempre alternando o tipo de óleo a cada compra de supermercado”, indica a Dra. Cristiane Coronel que separou duas receitas deliciosas de empanados com sementes. Confira:

1 – Frango empanado com chia e limão-siciliano:

– 1 filé de frango médio

– 1 dente de alho ralado

– Azeite ou vinho branco

– Ervas desidratadas a gosto

– Semente de chia o suficiente para empanar

– Raspas de limão-siciliano

– Suco de 1/2 limão-siciliano

– Sal a gosto

Modo de preparo:

Marine o frango com um fio de azeite ou vinho branco, ervas desidratadas e alho ralado por pelo menos duas horas. Em seguida, é necessário empanar o frango com a chia e as raspas de limão. Utilize o líquido do marinado para ajudar a empanar. Regue com suco de limão-siciliano o filé já empanado. Leve em um forno preaquecido a 180ºC o suficiente para o frango cozinhar (em torno de 15 a 20 minutos, depende do fogão).

2 – Frango empanado com castanha

Para o frango:

– 4 filés de frango

– Suco de 1 limão

– Sal a gosto

– Alecrim a gosto

Para empanar:

– ½ xícara (chá) de farinha de trigo

– 1 ovo

– 1 colher (sopa) de sopa de leite

– 1 xícara (chá) de castanha de caju picada

– 1 xícara (chá) de cubos de pão de forma (opcional)

– Óleo, o suficiente para fritar

Modo de Preparo:

Frango: Tempere o frango com o suco de limão, o sal e o alecrim. Reserve. Para empanar: Passe o filé de frango apenas de um lado na farinha de trigo, depois no ovo com leite e sal e por fim na castanha de caju. Frite na manteiga clarificada.

*Cristiane Coronel (CRN1-4551) é nutricionista clínica e esportiva funcional.

O que são fitonutrientes? Veja onde encontra-los e seus benefícios para a saúde!

Os fitonutrientes são substâncias bioativas encontradas nos vegetais. Eles são compostos fundamentais para o bom funcionamento do organismo. Saiba mais!

Você já ouviu falar em fitonutrientes? Substâncias vindas do grupo dos vegetais, esses elementos bioativos são fundamentais para o bom desempenho do nosso organismo, fortalecendo o corpo, deixando-o mais saudável e nutrido no dia a dia. Entenda mais sobre suas principais importâncias, os benefícios, e onde podemos encontrá-los nos alimentos!

O grupo dos fitonutrientes é composto pelas substâncias: isoflavonas, carotenoides, flavonoides e terpenos, compostos naturais bioativos encontrados nos vegetais, em suas mais diversas cores.Segundo a nutricionista Cristiane Coronel, os fitonutrientes são fundamentais para tornarem o nosso organismo mais saudável e também agregarem benefícios à uma rotina alimentar saudável:

“A principal função dos fitonutrientes é reduzir o estresse oxidativo, a formação de radicais livres no organismo, protegendo as células, otimizando o metabolismo e também atuando tanto na queima de gordura corporal quanto no ganho de massa magra”, explica a profissional destacando os principais alimentos que podemos encontrá-los:

Fitonutrientes: Em quais alimentos podemos encontrar?

Segundo Cristiane Coronel, a própria pigmentação de cada vegetal possui fitonutrientes que os protegem da luz solar, insetos, fungos e batérias. “Por isso, encontramos essas substâncias nos vegetais mais coloridos: verde-escuros, roxos, alaranjados, vermelhos, rosa e amarelos”, explica a profissional dando mais alguns exemplos como a bertalha, mamão, morango, almeirão, laranja, romã, melancia, uva, salsa, canela entre outros. Veja abaixo!

– Couve-manteiga: Rica em flavonoides, o vegetal verde-escuro ainda possui minerais como cálcio, ferro e fósforo que completam o quadro de nutrientes essenciais para o nosso organismo. A couve possui propriedades anti-inflamatórias e beneficia a saúde do coração.

– Pimentão: Verde, vermelho ou amarelo, os pimentões são ricos em carotenoides e flavonoides, que os conferem a propriedade antioxidante. Esses alimentos ainda são ricos em vitaminas A e C que fortalecem o sistema imunológico e beneficiam a saúde dos olhos.

– Acerola: A pequena frutinha é extremamente rica em vitamina C e do complexo B. Fonte de antioxidantes, ela é relacionada ao combate dos radicais livres, retardando o envelhecimento precoce das células e auxiliando na prevenção do câncer.

– Limão: Com fitonutrientes em sua casca e também no suco, o limão é responsável por melhorar a imunidade do organismo, diminuir o inchaço, prevenir contra o câncer e doenças cardiovasculares. Além disso, a fruta é rica em fibras alimentares e vitamina C.

– Beterraba: De cor forte e marcante, a beterraba contém fitonutrientes que previnem o envelhecimento e o câncer, fortalecem o sistema nervoso e mantém o nosso fígado saudável. Podemos encontrar no vegetal outras substâncias como o ferro, potássio e vitamina B1 que contribuem para um organismo saudável..

Recomendação de consumo de fitonutrientes para um adulto saudável

Moderação e variação são as palavras chaves para uma alimentação saudável, afinal, equilibrar nutrentes e variar na ingestão das substâncias que podem proporcionar bem-estar para o seu organismo é a melhor forma de absorver todos os benefícios que os alimentos podem trazer.

“A recomendação é comer o mais variado em cores possível. A variedade de cores é o grande segredo de concentração de fitonutrientes e suas funções garantidas em um organismo saudável. Coma colorido no almoço e jantar que garantiremos no mínimo 5 tipos de fitonutriente diferentes na alimentação”, finaliza a nutricionista.

OBS: No grupo dos fitonutrientes, as vitaminas e os minerais não se encaixam, pois fazem parte de uma nova categoria de nutrientes.

* A Dra. Cristiane Coronel (CRN1-4551) é nutricionista clínica e esportiva funcional.

Batata frita pode ser saudável? Sim! Veja mitos e verdade sobre o alimento

Crocantes, quentinhas, deliciosas e, agora, saudáveis! Consumidas da maneira correta, as batatas fritas podem ser benéficas à saúde!

Batata frita… Difícil resistir, não é mesmo? Um dos alimentos mais consumidos no mundo e símbolo clássico dos petiscos, ela, no entanto, sempre foi tratada como um “vilã” das dietas. A boa notícia para o amantes dessa delícia, é que a ciência nutricional está mostrando o contrário. Preparada da forma correta e degustada moderadamente, um estudo comprovou que a batata frita pode ser até mais saudável do que a cozida. Entenda as razões!

Sim, isso mesmo! A batata frita pode ser mais benéfica que a cozida. De acordo com estudos realizados pela Universidade de Granada, na Espanha, e que prontamente repercutiu no mundo inteiro, quando a batata é submetida à fritura, desde que seja em azeite extravirgem, a quantidade de fenóis (agente antioxidante que fortalecem o nosso sistema imunológico) aumenta, tornando-a mais eficaz a proteção do organismo, e a prevenção de problemas como câncer, doenças degenerativas e até o diabetes.

A nutricionista Cristiane esclarece, abaixo, as principais dúvidas e cuidados necessários para o consumo da batata frita em um plano alimentar saudável. Confira!
– A batata frita é realmente mais saudável do que a cozida?

“A batata inglesa cozida, assim como qualquer outro vegetal cozido, se torna um alimento de alto índice glicêmico, pela perda de fibras naturais do processo de cocção. Quando se é acrescido uma boa fonte de gorduras à esse cozimento, o seu valor nutricional, de compostos bioativos, antioxidantes aumentam também. Do ponto de vista nutricional, em uma dieta bem equilibrada, esse tipo de fritura não fará mal algum.”
– Quais cuidados devemos ter para o consumo de batata frita?

“A fritura, mesmo que em azeite específico, aqueles azeites que não são encontrados em supermercados comuns, são feitos para cocção e têm seus valores energéticos aumentados. Por isso, esse tipo de alimento não deve ser consumido livremente na rotina. Até porque são estudos recentes com novas descobertas e ainda não há conclusão alguma sobre o efeito do consumo diário a longo prazo no ser humano.”
– Por que veio à tona essa notícia?

“O modismo da alimentação saudável a qualquer custo, tem criado uma barreira no consumo de gorduras boas, como se qualquer gordura fosse maléfica na alimentação e a grande causadora de aumento de peso, risco de doenças cardiovasculares, entre outras. Qualquer alimento, quando acrescido em boas gorduras, terá um enriquecimento nutricional naturalmente.”
– O que, de fato, é verdade nesse estudo?

“Não existe verdade ou mentira. A procedência, a forma como se prepara um alimento, a quantidade de frequência de consumo na rotina é que faz total diferença no funcionamento do organismo e metabolismo do ser humano. A busca do equilíbrio é diária, sem extremismos. Tudo em dosagem errada em nossa vida, se torna maléfico, até um alimento.”
– Então é possível incluir o consumo da batata frita em uma alimentação saudável?

“É possível sim. Em uma refeição livre, o consumo da fritura preparada com azeite próprio para cocção ou banha, com pouco sal (este também de boa qualidade), sem exageros, não causará problema algum. Pelo contrário, o prazer em comer um alimento como esses, estimula a produção dos hormônios do prazer, bem-estar, melhorando o humor e dando ainda mais energia para os momentos seguintes do dia. E lógico, as próximas refeições/lanches, deverão ser saudáveis e equilibradas para efeito compensatório e equilibrando o organismo novamente.”
*A Dra. Cristiane Coronel (CRN1-4551) é nutricionista clínica e esportiva funciona.

Orientações sobre Congelamento de vegetais

O congelamento de vegetais é uma boa alternativa para guardar esses alimentos por mais tempo e manter seus nutrientes. Quando congelados corretamente, os legumes duram em média de 6 meses, e os temperos como alho e cebola, duram 1 mês.

Congelar os legumes é útil para aproveitar as sobras ou os vegetais da época, além de facilitar o preparo de saladas e de refeições rápidas. Alguns exemplos de legumes que podem ser congelados são cenoura, brócolis, beterraba e pimentão. Ao congelar legumes e verduras, um pequeno percentual de vitaminas e antioxidantes podem ser perdidos ao fazer este processo. Porém, nada significativo, pois ainda desta forma, nós garantimos alimentação natural, sem conservantes e produtos artificiais.

Para congelar certos tipos de legumes e verduras é preciso cuidados. O tipo de congelamento é específico para cada hortaliça, pois alguns precisam ser congelados crus, enquanto outros precisam ser cozidos ou escaldados. Da mesma forma, após o descongelamento alguns vegetais só podem utilizados cozidos ou refogados.

Assim, a tabela abaixo indica o modo de preparo de alguns vegetais para o congelamento e como eles podem ser utilizados depois de descongelar.

Alimento Preparo para congelar Onde utilizar após descongelar
Cenoura, pimentão, vagem, brócolis, espinafre Lavar, cortar e escaldar Saladas refogadas, sopas ou cozidos de carne
Batata, batata doce, abóbora, mandioquinha Lavar, cortar e escaldar Cozidos, assados, sopas, purês
Tomate Lavar Molhos ou refogados de carnes
Berinjela Lavar, cortar e escaldar Saladas refogadas ou sopas
Couve, abobrinha, nabo Lavar, cortar e escaldar Saladas refogadas, sopas, cozidos ou refogados de carnes
Feijão Cozinhar e congelar com caldo Temperar e aquecer até ferver
Milho, ervilha Lavar e escaldar Saladas refogadas, molhos ou cozidos em geral

Como preparar os legumes para congelar:

  • Comprar legumes de boa qualidade e frescos;
  • Retirar as cascas não comestíveis e lavar bem os legumes;
  • Cortar os legumes na maneira que preferir para utilizá-los depois, por exemplo em cubos ou em rodelas.

O que fazer para poder se congelar por mais tempo

Após o preparo dos legumes, é necessário escaldar e depois dar um choque térmico para que eles não estraguem e para que a cor e os nutrientes se mantenham durante o tempo de congelamento. Esse procedimento também chamado de branqueamento, e para fazê-lo você precisa:

  • Colocar os legumes por cerca de 30 segundos a 2 minutos em água fervendo;
  • Retirar os legumes da água e colocá-los em uma bacia com água e gelo;
  • Secar os legumes em um pano limpo.

Obs.: Congelar os legumes ainda com excesso de água irá deixá-los com uma textura mais mole após o descongelamento.

Cortar os legumes para o congelamento, armazenar no saco com nome e data. Isso é importante, pois você se organiza e acaba não deixando os alimentos armazenados por muito tempo no congelador.

Como embalar os legumes para congelar

Os legumes podem ser embalados em sacos de congelamento ou em recipiente de plástico ou vidro com tampa. Nessa etapa, é preciso tomar os seguintes cuidados:

  • Embalar apenas a quantidade que será utilizada depois, pois os legumes grudam um no outro durante o congelamento;
  • Retirar todo o ar do saco de congelamento e fechar bem;
  • Se congelar em depósitos, deve tampá-los bem para que o cheiro dos legumes não passe para outros alimentos do congelador.

Os vegetais congelados acumulam água e não ficam mais crocantes como quando estão frescos, por isso o ideal é que sua utilização seja em preparações cozidas ou assadas.

Como descongelar os legumes

Os legumes devem ser descongelados antes de serem utilizados, e a melhor forma para fazer o descongelamento é colocá-los na geladeira um dia antes do uso. Se quiser fazer um descongelamento mais rápido, coloque o saquinho de legumes em água fria.